quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Férias de inverno...

Já estou há uma semana de férias, no entanto não fiz nada, de nada, e ainda mais de absolutamente nada nesses dias. Decidi que tinha de Hibernar, descansar, dormir muito, ou seja, posso resumir a semana a muita pastelice e a muita ronha com os gatos.

Esta segunda semana quero ver se é mais produtiva, não vou a lado nenhum, até porque toda a gente está a trabalhar e neste momento não me apetece grandes viagens ou passeios sozinha. A ver se trato de casa, há ainda alguns pormenores que quero tratar, pormenores de decoração, estrutura de um dos quartos, queria também ver se pintava a sala. Sei claro, que não está um tempo por aí além para fazer isso, mas a verdade é que as paredes pintadas de vermelho já me andam a irritar, ou seja, recuso-me a estar até ao Verão a olhar para ela, não fosse eu casmurra e poderia perfeitamente adiar isto.

Estava-me a esquecer da minha quinta lool
Ora apanho morangos, ora semeio abóboras e arroz, quase ao mesmo tempo que ordenho as vacas. Estou claro, a falar do Farmville no Facebook. Acabei já por ali passar umas horas, sim, sim, eu que fazia pouco dos amigos que tinham o vício, estou garantidamente bem pior que eles!

:D

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Insegurança



Não me lembro de em toda a minha vida passar uma fase de tamanha insegurança como estou a passar agora!
Talvez por não me achar capaz de fazer tudo o que quero bem feito, sim, porque ser mediana não está lá muito para o meu feitio.
Talvez porque me tenho sentido mais só, sim, porque não tenho tido muito tempo para socializar.
Talvez porque as incertezas que me assolam neste momento me abalem as estruturas, sim, porque eu não sou só certezas.

Enfim, gostava de me sentir mais capaz, mais segura, mais confiante, mais valorizada, mais disponível, mais satisfeita, mais, mais, mais...

A ver se as férias que se avizinham me ajudam a pôr os dias em ordem!

Sou ou não sou um ser insatisfeito? lol

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Alento!


Pois é, tenho andado mesmo ocupada! Entre aulas, trabalho, remodelações de casa, mal me sobra tempo para o que quer que seja! Ando a precisar de um novo alento na minha vida, mas acho que não tenho tempo para mais nada, a verdade é que limitar-me a dormir com o tempo que me sobra não me anda a deixar lá muito animada!
Ando motivada, ando satisfeita, mas em boa verdade tenho que arranjar mais tempo para gozar esta curta vida!

E falando em curta vida! Estou oficialmente Curada!!!! Agora só tenho uma nova consulta em Fevereiro para ver o andamento das coisas e ver se me adaptei bem à nova medicação, sim, porque essa vai andar comigo para todo o sempre, mas será apenas essa sequela, nem a cicatriaz da cirurgia se nota quase nada :D

Outra novidade foi a minha Si ter saído de casa, está feliz com o seu amor, tanto que lá decidiram juntar as tralhinhas e ser felizes, espero eu, por muitos e bons anos, sim porque eu gosto muito do rapazinho e considero que a minha menina ficou muitíssimo bem entregue.

Entretanto, lá vou ver se vou levando a vidinha como posso, não quero abandonar o projecto que abracei, mas a verdade é que não é fácil consguir conciliar todas as minhas ocupações e pessoas com quem gosto e quero estar.


P.S. A foto representa um estado, muita paz de espírito, associada a insatisfação constante, que me faz sempre procurar o tal alento!

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Aulinhas



Pois é, pois é, hoje fui às aulinhas, aprendi uns conceitos sobre a mãe economia, a filha microeconomia, a sua prima macro, escassez, produtor, consumidor, a forma como se relacionam entre si e por aí. Noções que tinha apenas adquirido por senso comum, nada que em toda a minha formação académica tivesse abordado, claro que para já foram apenas noções, ideias do que aí vem! Curioso, foi o até ter gostado, acho que a responsável por este agrado é a ainda presente excitação da novidade, já que acho que economia nem é daquelas coisas que me vá animar por aí além.

O balanço hoje foi muito positivo, também porque estreitei laços com os novos coleguinhas, tudo maltinha da minha faixa etária, mais coisa, menos coisa e pelo que me pareceram bem simpáticos, tanto que a aula acabou, e só os de Psicologia Social e do Trabalho é que ficaram na sala a dar à treta, coisa que como toda a gente sabe gosto pouco! =)

Para já a grande diferença que sinto agora de há 12 anos atrás (altura em que fui caloira pela primeira vez), foi o silêncio que reinava na sala, estou a tirar o curso em horário pós laboral, ou seja, quase toda a gente que ali está vem de um dia de trabalho, são pessoas que têm vontade efectiva de aprender, a motivação é diferente, o espírito de sacrifício é diferente. Isso sente-se e muito no decorrer das aulas!

Estou para já satisfeitíssima com a minha escolha, se bem que claro, estou cansada, sai-me do corpo, mas o mais importante, estou focada, motivada e empenhada em investir em mim!

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Cansaço



Este fim de semana estive por casa dos pais, já há algum tempo que não tinha assim dois dias para descansar e, se antes do fim de semana tinha a certeza que estava cansada, agora que o mesmo passou, a falta de vontade de voltar ao trabalho dá-me ainda mais essa garantia!

Nunca tive esta sensação, de não querer ir trabalhar, honestamente? Não é uma sensação nada nada boa. Gosto do que faço, gosto dos colegas, gosto da empresa, mas a verdade é que o trabalho é muito, as situações de tensão mais ainda, a energia gasta quase desnecessariamente em tretas ainda supera o resto, as pessoas andam numa constante luta de força, andam permanentemente a stressar por nada. Em resultado estou a ficar dasapaixonada, eu, como mulher de paixões que sou, preciso mesmo de estar apaixonada pelas coisas nas quais me meto. Gostava simplesmente de voltar atrás no tempo, bastavam alguns meses, voltar para a altura em que ir trabalhar para mim, era quase tão importante como respirar, de tanto prazer que me dava. Agora ir trabalhar tira-me o ar, só isso.

Espero que a situação actual se deva a todas as alterações que vão acontecer, espero que em Novembro as coisas recomecem a seguir o rumo da normalidade, espero que as pessoas voltem a si, espero que a equipa se recorde do que é sê-lo, espero que as coisas sem importância fiquem num canto com esse nome, "Canto das coisas sem importância".

Sim, embora um colega me tenha dito para não ficar feliz por ver uma luz ao fundo do túnel, já que pode ser o comboio a vir em sentido contrário, eu teimo em ser uma optimista, e achar que estamos apenas a passar por uma mudança, e que o caminho para a harmonia começou de novo a ser traçado, acredito nisto porque quero, acredito nisto porque é a verdade, acredito nisto porque estou cansada...

...

sábado, 19 de setembro de 2009

Os meus arco-íris



O outro dia a minha mãe deu-me este texto, a dizer-me que poderia perfeitamente ter sido escrito por mim. Tão bem que ela me conhece.

"A amizade é um conceito que me enche o coração. Gosto de saber que há pessoas que se preocupam comigo e gosto, sobretudo, de gostar delas. Segundo o dicionário da língua portuguesa, amizade traduz-se, entre várias coisas, como "afeição por uma pessoa". E afeição soa a afecto; e afecto soa a abraço; e abraço soa a colo; e colo soa a sorriso.

Gosto dos abraços dos meus amigos e, nas últimas semanas, têm sido eles que têm colocado sorrisos no meu rosto. Por aqui os dias têm estado cinzentos e, de vez em quando troveja. Por aqui e dentro de mim. É quando isso acontece que os meus amigos me abraçam. Muitos deles pelo telefone, que a desgraçada crise também está a dar cabo dos efectos entre as pessoas... Mas não interessa, eles chegam, aconchegam-me e o trovão cala-se. E os seus braços são tão envolventes e carregados de amizade.

É nas tempestades pessoais que nós próprios descobrimos os nossos arco-íris. Para mim, eles chegam com os abraços dos meus amigos. Obrigada por gostarem de mim!"

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Aniversário da S.

A minha S. ontem fez 28 aninhos, não fosse ela tão despassarada e estaria a ficar uma senhorinha, assim, continua com mais ano ou menos ano, a ser uma menina doce e com o toque de inocência que a caracteriza tão bem.

Para não deixar a data passar ao largo, juntamos aqui em casa um grupo de amigos muito gostoso. Com os presentes não poderia resultar outra coisa, durou até às 5 da manhã, e não fosse hoje dia de trabalho e acho que tínhamos estendido a coisa até ao almoço (pelo menos). =)

Fica o registo (com a D. atrás da máquina):



Quanto a ti minha querida S. desejo apenas que sejas muito muito muito feliz, e que todas as escolhas que faças na tua vida te direccionem apenas para aí, para a felicidade!

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Singatoba



Singatoba é o Special Club 2009, um 100% Arábico da Ilha da Sumatra, Indonésia, com um grau de intensidade 8 e um duplo perfil aromático, ora amadeirado, ora com um ligeiro toque frutado. Isto tudo para dizer que sempre que surge um novo café toda a Boutique Nespresso é alterada.

Sou eu e uma colega, companheira, camarada e amiga (com a ajudinha dos músculos de um elemento masculino) que tratamos do Visual Merchandising da Boutique, e desta feita gostei imenso do resultado, assim sendo vai um cheirinho de como está a Nespresso Porto I (sim, sim, porque a II está mesmo aí a estourar, mas isso será um assunto para falar mais tarde, a seu tempo)






quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Fado do estudante

Ahhh pois é, a matrícula está feita!! Sou de novo estudante, só me falta o cartão jovem looool

Pois que comece a nova jornada, estou preparadíssima para os próximos anos serem duros, pois se agora o tempo não abunda, daqui para a frente só tende a piorar. Vale que, em tudo o que tem a ver com ciências sociais tive equivalências, vai fazer com que tenha apenas as cadeiras mais chatas com as quais pouco ou nada me identifico, mas também não queimarei tanta pestana =)



E Pronto!!! Estou feliz da vida :D

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Sociedade Machista?



Por vezes, e no meu mundo gosto de acreditar que a diferença entre homens e mulheres já não é assim tão evidente como eventualmente seria há uns anitos (não muito distantes) atrás. Por isso o outro dia observar o que se passava nos carros que passavam ao lado do meu, na fila da portagem foi muito curioso.

Vinhamos eu e a S. de Famalicão no Domingo à noite, e deparamo-nos com uma fila enorme à entrada do Porto, que fazer? Divertirmo-nos a olhar para as figuras da maltinha dos carros que nos passavam ao lado, após umas piadolas começo a notar algo de comum nos carros das famílias e dos casalinhos, TODOS e repito todos tinham uma ocupação de espaço similar dentro das ditas viaturas.

Homens à frente, mulheres atrás, não encontrei um único com posições mistas ou com posições inversas e aí caiu a questão. Será este um sinal de que a sociedade machista ainda prevalece? Eu acho que sim, no meu círculo de amigos e conhecidos, ou mesmo família isto não acontece, vai tudo à molhada independentemente do género, mas pareceu-me que isto é que é incomum, a avaliar pelo que vi.

Acho que, embora que dissimulado, não só nestas situação, mas como noutras comuns do dia-a-dia este machismo ainda prevalece e se faz sentir, pelo menos em terras nortenhas e confesso, fico com os azeites! É o reflexo de uma sociedade ainda atrasada no seu tempo, onde as mulheres continuam a ser penalizadas, julgadas e dimunuídas em situações corriqueiras, nas quais se fossem homens era uma outra história. Quem é mulher e mora cá em cima sabe ao que me refiro concerteza.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Novo projecto

Pois é, tal como disse na última mensagem andava com uma necessidade enorme de fazer coisas novas, de mudar de vida, de abraçar um novo projecto. Assim sendo hoje fiz uma inscrição numa nova licenciatura, com esta pretendo não só alargar conhecimentos na minha área (estudos sociais), como adapta-la dentro do possível à vertente empresarial e organizacional, já que, e reforço a ideia, valorizo e admiro imenso a empresa para a qual trabalho.

O licenciatura escolhida? Psicologoa Social e do trabalho no ISCET.

http://www.iscet.pt/site/index.php?option=com_content&task=view&id=36&Itemid=74

Agora faço fisgas para a semana ir lá fazer a matrícula, sempre existe o risco de não ser aceite.

P.S. Como estou muito entusiasmada com a inscrição, não me apetece falar nas falhas do sistema e na incompetência das pessoas, mas o que tive que me chatear na minha antiga faculdade por causa de um certificado detalhado não lembra a ninguém. Se não me chateasse e impusesse, as coisas simplesmente não aconteciam. Enfim.

Agora torçam por mim!

=)

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Mudar de vida


Hoje passei todo o santo dia a cantar isto:

"Muda de vida se tu não vives satisfeito
Muda de vida, estás sempre a tempo de mudar
Muda de vida, não deves viver contrafeito
Muda de vida, se há vida em ti a latejar

Ver-te sorrir eu nunca te vi
E a cantar, eu nunca te ouvi
Será de ti ou pensas que tens...que ser assim?...

Muda de vida se tu não vives satisfeito
Muda de vida, estás sempre a tempo de mudar
Muda de vida, não deves viver contrafeito
Muda de vida, se há vida em ti a latejar

Ver-te sorrir eu nunca te vi
E a cantar, eu nunca te ouvi
Será de ti ou pensas que tens... que ser assim?...

Olha que a vida não, não é nem deve ser
Como um castigo que tu terás que viver
Olha que a vida não, não é nem deve ser
Como um castigo que tu terás que viver

Muda de vida se tu não vives satisfeito
Muda de vida, estás sempre a tempo de mudar
Muda de vida, não deves viver contrafeito
Muda de vida, se há vida em ti a latejar

Muda de vida se tu não vives satisfeito
Muda de vida, estás sempre a tempo de mudar
Muda de vida, não deves viver contrafeito
Muda de vida, se há vida em ti a latejar"

Só espero a partir da próxima semana poder continuar a cantar isto, mas de uma forma bem mais alta e bem mais mais segura =)

Grande António Variações!

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Veterinário



Pois é, hoje lá tivemos mais uma ida ao veterinário, a terceira desde que temos os bichanos cá por casa. Fomos lá, não só porque a Tinita e o Fred tinham de levar com a sua primeira vacina, mas também porque a menina ontem começou a ficar com um olho todo vermelho.
Primeiro achamos que podia ser apenas uma conjuntivite (tão típico nos gatos), mas depois, e aí fiquei preocupada, achei que também poderia ter sido um arranhão feito pelos seus camaradas de brincadeira.

O Dr. Vitor confirmou a primeira hipótese, é uma conjuntivite, lá levaram as suas vacinas e até que não se portaram nada mal, depois claro, de volta a casa, toca a passar na farmácia para comprar as gotas para levarem os três com elas de 12h em 12h horas, já que o Sr. Fred começa a apresentar os primeiros sintomas e o Niko vai levar com elas por tabela.

Vale que o Dr. Rui era um regalo para as vistinhas e tinha uma simpatia directamente proporcional, era um máximo o homem! E que bem que sabe chegar assim aos sítios e ter tão agradáveis surpresas! hehehehe

Claro, claro, não posso esquecer, também achei que era bom profissional, pelo menos gostei muito da forma como consultou e tratou os bichanos =)
*****
Para quem não sabe, os meninos são: Tina Modotti; Nikolai Tolstoy e Friedrich Engels AKA Tinita, Niko e Fred =)

^..^

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Azia



Sou assim desde que me conheço. Tenho tolos pensamentos, pancas que considero ocas, mas que me enchem a cabeça, pancas minhas e que em pouco ou nada importam aos outros mas, que a mim me moem e atormentam e quando começo a ficar atormentada faço o que digo aos meus, fecho para balanço, é que a azia dá-me para isto. Só eu e eu, de mim para mim, a balançar ideias.

Hoje fechei para balanço. É que é impressionante como ainda me consigo surpreender, acho que sei onde estou e estou onde quero, acho que sei quem sou e sou quem quero, acho que tenho tudo controlado e de repente... Pufff perco-me!!

Daí e por uns dias em diante é sempre a cair e, até que me volte a encontrar ando perdida de todo, mas é que ainda me surpreendo!!! Decididamente tenho que perder a mania de que tenho sempre tudo sob o meu comando, tudo controlado e que não existem na vida variáveis que não dependam apenas de mim, porque o facto é que eles existem (por muito que eu me convença que não).
Como existem, obviamente vão surgindo acontecimentos que não me agradam, e eu, como a verdadeira caprichosa que sou, fico toda torta e com dificuldade em digerir as coisas por uns tempos. O termo? Aziada!!

Desta feita é trabalho, relações, objectivos pessoais enfim, as coisas não me correm muito à feição, mas a verdade é que as coisas só nos acontecem porque para aí as encaminhamos, ou seja, tenho de rever aqui comigo e para mim algumas coisitas e pronto! Aprender a digerir, isso tenho de fazer rapidamente ou o Stock da Rennie acaba.

=)

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Amiguinhos, outra vez e sempre.



Pois é, não me farto de falar neles, nos amigos. Ontem eu e a G. tivemos cá em casa dois dos bons, a minha S. da Nespresso e o meu querido C. aka "O Ranhoso". Que boa noite que foi, abraços daqueles que gosto e tanto preciso, uma jantarada onde comer à mão não só é permitido como obrigatório, um maduro do Douro daqueles bem frutados como pede o Verão e muita conversa da boa. Sim claro, também se falou de trabalho, esse que nos chupa a alminha.
O que realmente importa? Que no final, o que fica realmente são as relações fortalecidas e momentos gravados na memória.

Hoje? Hoje tive tempo para a minha S. da PT, para a minha S. da Nespresso e para a minha querida e única C. Sim, sim, foi um bom dia já que alinhavei as férias, tratei do cartão do cidadão e ainda tive tempo para visitar os meus pais, claro que isso fez com que não parasse desde as 8h da manhã, já que pelo meio ainda vi o "Sevem Pounds", onde não só o argumento é fenomenal, como também achei o Will Smith Brutalíssimo.

Por agora ainda vou dar um miminho à minha G. que está precisadinha =)

Love u all
.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

De volta...

De regresso à vidinha, amanhã será mais um dia de trabalho na cidade, tentarei guardar tudo na minha memória até ter outra vez vontade de fugir da azáfama, o verde, os odores, as límpidas águas, o sossego.

*****

Quanto às borboletas? Essas continuam a voar, só deixaram foi de voar para mim.

Eu voltarei apenas a retomar a construção do meu casulo até ver a mais bela de todas!

.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Carregar Pilhas

Porque uma imagem vale mais que mil palavras, cá está uma das formas de carregar pilhas =)



Minha querida amiga, amoras para ti hehehehehe




Está-se muito bem na minha pele...

.

sábado, 15 de agosto de 2009

Fim de semana saboroso


A receita:


Pegar num fim de semana de sol, acrescentar uma pitadinha de ponte que ainda não tenha sido gozada, colocar uma folga q.b. e mexer bem.


Depois é necessário escolher o destino para o resultado ficar apetitoso e a gosto, pegar na tralha depois de meter combustível para seguir caminho... Et Voilá, sai uma excelente escapadinha.


Desta vez o destino foi Cabril em Montalegre, já no Parque Natural do Gerês, ficarei por cá até 3ª feira para carregar as baterias bem carregadinhas e chegar ao Porto como nova.


Entretanto vou contando novidades =)

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Honestidade


A honestidade é um conceito quase universal, conseguimos percebe-lo nos outros de uma forma quase inata, quase que o absorvemos e percebemos se ele está lá ou não. E sim, obviamente que considero a honestidade um valor fundamental, um pilar nos relacionamentos inter-pessoais.


Mas e de um ponto de vista intra-pessoal? Por vezes questiono-me até que ponto serei honesta comigo mesma, com os meus desejos, com as minhas necessidades, com os meus sonhos. Hoje questiono-me se às vezes não penso em objectivos a médio longo prazo apenas para não ter de lutar por eles, para não correr sequer o risco de me desiludir a mim mesma, sim, sim, porque eu lido muito mal com isto do falhar, apenas me proponho um objectivo se lá no fundo acho que o vou cumprir , se considerar que me vou perder pelo caminho, nem sequer considero a possibilidade de trabalhar por ele, claro que trilho objectivos ousados, claro que sou extremamente determinada e luto pelas coisas, mas sempre em cima do meu confortável "Sei que sou capaz".


E o que deixo ficar quase que de uma forma consciente pelo caminho? Não deveria eu colocar-me a mim mesma aquela banal pergunta do onde estarás daqui a 5 anos? Seeze de day, Carpe diem, tudo muito bonito, o dia de hoje é um dia feliz, disso tenho a certeza, mas e daqui a 5 anos? Devo de facto olhar para a frente? Vale a pena fazê-lo? Nem sei se sou suficientemente honesta comigo para saber ao certo onde quero estar, e acho que essa falta de honestidade é uma defesa pessoal para não me fazer desejar o que acho que não posso ter.

Pois não sei, creio que esta será o pensamento dos próximos dias, e tentarei contraraiar-me e ser honesta comigo (ou não, claro!)


domingo, 9 de agosto de 2009

Rotinas


Isto de gostar de voltar às rotinas foi sol de pouca dura. Sair de casa à mesma hora, parar todos os dias no mesmo semáforo porque o mesmo metro vai sair, deixar o carro estacionado no mesmo local, ver as mesmas caras, ter as mesmas conversas triviais... Pronto, sou assim, canso-me depressa das coisas.


Não quero estupidificar, lá vou eu ter de arranjar mil e um malabarismos para fazer coisas novas e que me mantenham interessada, sim, que isto de trabalhar na Nespresso absorve-nos de tal forma, que se nos distraímos viramos zombies, e ainda por cima estúpidos!


Há quem goste de rotinas, eu sei, deixam-nos andar em piloto automático, simplificam a vida, sabe-se o que se espera, trazem conforto, em mim provocam precisamente o oposto, angústia, vontade de mudar, inquietação... Vá, até admito que alguma familiaridade com o novo dia até pode ser simpático, mas um atrás do outro é morrer devagarinho, por muito que goste do trabalho que faço.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Meu querido mês de Agosto.


O mês de Agosto é um mês atípico pelos vais variados motivos, as grandes massas entram de férias, o trânsito diminui significativamente, paira no ar a leveza do pico do verão, mas se há no mês de Agosto algo que me consegue carregar no botãozinho dos nervos, são os nossos queridos emigrantes.
Claro que com isto não quero dizer que eles não são bem vindos, não, nada disso, eu própria tenho família que está espalhada por esse mundo fora e gosto sempre de os rever passado um ano, mas infelizmente a excepção não faz a regra. E a ver vamos, porque me irritam tanto este grupo de pessoas?
Em primeiro lugar, porque parecem ter uma enorme necessidade de mostrar superioridade, eu sei, eu sei que eles têm algum prazer e querem mostrar que afinal até valeu a pena abdicar da terra, da família e dos amigos por uma vida melhor, mas como em tudo, a ostentação, ou pretensão a ela vai um tudo nada contra o meu feitio.
Em segundo lugar, e este sim é aflitivo, Há coisa que eu prezo muito, a nossa língua, e o facto de a ver numa ordem diária maltratada, menosprezada e ridicularizada parece-me, a mim, quase insultuoso, quem não conhece a anedota do Pierre vien ici, meu filho da pu$!&$?
Em terceiro lugar e último... Eu já estive em França e lá até não se conduz mal, pelo me questiono, os nossos coterrâneos desaprendem de conduzir quando cá voltam??
E Pronto, por aqui deixo este desabafo, enquanto aguardo ansiosamente que o mês de Agosto chegue ao fim, e desde já peço desculpa a aqueles que trabalham por esse mundo fora e que não se encaixam nesta descrição.
Ahhhh, mas a vida continua a sorrir-me :D

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Borboletas



Volta e meio falo em borboletas, principalmente porque já não vejo borboletas como via antigamente. Pousam de flor em flor ao sabor do vento, pousam de flor em flor com o sol a bater nas suas asas delicadas e coloridas, pousam de flor em flor sem saber que com isso a flor onde pousam vai renascer num outro lugar, numa outra primavera, num outro tempo.


São delicadas as borboletas, frágeis, por isso se reflectem nelas as acções que o Homem toma, vão desvanescendo, aparecendo cada vez em menor número, até que praticamente deixamos de ver borboletas a lembrar-nos de que o dia está lindo, a lembrar-nos que nós, como elas, deveríamos aproveitar o sol e o vento.


Sabe bem voltar a ver borboletas, é uma nova Primavera :)

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Chuva de Verão



Chuva e flores não combinam nada, a chuva estraga as flores, deixa-as meladas, deitam-nas abaixo. Hoje sou uma flor e este tempo terrível deixa-me com um estado de espírito todo melancólico, qual verdadeiro fado ao real espírito Português.

Vale-me que a noite de ontem foi muito agradável, tivemos um jantar cá em casa que acabou por resultar muito bem, daqueles jantares onde se juntam uns amigos e a conversa flui até às tantas, desses, dos meus favoritos. Vou-me hoje agarrar a esse jantar para tentar levar o dia com um sorriso no rosto, porque por mim, limitava-me a ficar aqui a ouvir a chuva e o vento a bater na janela, enquanto eu, tal como a flor ia melando.

Por agora, vou trabalhar um bocadinho :)

terça-feira, 21 de julho de 2009

1 mês e picos

É o tempo que estive sem aqui escrever uma linha, mas vamos lá ver. Se criei este blogue no intuito de me fazer companhia nas noites solitárias, pois isso só mostra que essas melhoraram significativamente e que já quase nada me apoquenta!

Novidades? Só grandes e boas. Já regressei ao trabalho do dia 18 de Junho e quanto a isso posso afirmar categoricamente, só quando não podemos mesmo fazer uma coisa é que nos apercebemos da importância que ela tem para nós. Aquele clichet que constantemente se ouve de que "desde que haja saúdinha..." é tão, mas tão verdade!! Sabe muito bem que a vida retome o seu rumo, sabe bem o regresso à minha normalidade e para já tenho andado completamente absorvida com o novo regresso às rotinhas. Sim, sim, porque quem me conhece sabe que sempre detestei rotinas, mas é que por agora estas me estão a encher a alma, são rotinas sim, são rotinas, mas são as minhas e tinha saudades delas =)

Neste mês e meio entrou na minha vida e na da G. duas coisinhas completa e absolutamente amorosas (Correcção, têm tanto de amorosas como de malandras), ou seja passamos a ser 4 cá em casa, e como sabem uma casa cheia é uma alegria :)

É um ele e uma ela, ele de seu nome Niko e ela Tina (em homenagem a Nikolai Tolstoy e a Tina Modotti), Ele tem agora uns e meses e meio e ela 1 mês e meio. E bem que podia estar aqui durante uma hora a escrever sobre os bichanos e suas brincadeiras, sobre as suas pulgas e sobre os arranhões e unhas destruidores, mas acho que o texto só teria mesmo interesse para mim e para a G. que parecemos tal e qual mães babadas.

Para não alongar muito esta mensagem? Vou acabar a dizer que a vida tem surpresas ou situações inesperadas (chamem-lhe como quiserem) que nos mostram que andar por cá vale sempre a pena e que podemos sempre acordar a sorrir.

****

P.S. Quanto ao "amigo" que me andava a tirar o sono? Para já está controlado, só em Setembro saberei se tenho mais sessões de radio.


sábado, 6 de junho de 2009

Ausências

Pois é, é assim que tenho andado por aqui, ausente.

Poderia pôr-me aqui a explicar porque é que assim tem sido, mas na verdade seria uma mensagem que nunca mais acabaria porque tenho andado ausente por estar a viver uma vida cheia!!!

Um pequeno resumo;
Mais um internamento, que espero ser o último, tenho passeado bastante, montei mais um aquário em resultado de ter desactivado três e ultimamente tenho-me dedicado a redecorar os cantos das duas casas por onde vou dormindo, depois faço um update dos resultados dos quais estou muito orgulhosa!

Em conclusão, tenho andado ocupadíssima a viver muito!!!! =)

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Partido MMS


Pois agora com os cartazes e Outdoors para as Europeias 2009 descobri, sim porque desconhecia por completo que MMS não era apenas uma mensagem de dados que poderia enviar pelo telefone, mas também um novo partido político. MMS - Movimento Mérito e Sociedade.

Pelos vistos é um partido que foi fundado muito recentemente, vá lá já não me senti avestruz, estive no site a ver se descobria o básico do partido, já que ver por aí cartazes fez-me sentir a mais ignorante entre os ignorantes, claro que a primeira questão que me ocorreu foi qual o enquadramento político dos tipos, ao que eles respondem:

"Onde se enquadra politicamente o MMS? À esquerda, à direita ou ao centro?

Para o MMS esta concepção ideológica já não se aplica numa sociedade contemporânea contudo teve o seu papel na História mas está ultrapassada.
O MMS NÃO SE REVÊ NESSA LATERALIDADE.
Essa fragmentação não é saudável ao desenvolvimento social e económico de Portugal. (...)
Há muito para fazer. Temos que olhar para a frente.
O único lado a que aceitamos pertencer é ao lado da frente.
O MMS É UM PARTIDO POLÍTICO DA FRENTE"

Alguém estava familiarizado com este partido, ou só mesmo eu é que ando a passear-me pelo mundo da ignorância?
P.s. Não gosto nada do Logotipo do partido

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Filmes vistos

Estes dois dias passados vi dois filmes, tenho de diversificar no meu excesso de tempo, certo?

Pois bem, os filmes seleccionados foram "Austrália" e "Anjos e demónios", por esta ordem, e reforço o facto de ter sido por esta ordem, porque preferia de longe que fosse ao contrário, já que sou das muitas pessoas que prefere deixar o melhor para o fim!!


Austrália, fica a apetecer apanhar um avião e voar directo para lá, terra inóspita mas estupidamente bela, começa logo por aí a beleza do filme. Sim sim, é um romance como muitos outros, mas facilmente nos apaixonamos pela história, pela paixão dos intervenientes por um objectivo comum, o início do filme tem até um cheirinho a comédia.
Trata sobre a "geração roubada" num período de pré- 2ª guerra mundial, onde as crianças mestiças eram institucionalizadas para as tornar mais europeias, a criança que representa o Nullah (Bryan Brown), um aborígena australiano que não é preto nem é branco, não é de lado nenhum, é simplesmente brilhante, facilmente nos apaixonamos por ele. Mágico!

Em resumo, porque não quero mais que deixar curiosidade, a Nicole Kidman está muito, muito bem para o papel, já que representa uma aristocrata no princípio do século, e quem melhor que a esticadinha para o fazer? O Hugh Jackman, brilhante no paper de Drover, sim, sim, ele guia gado por aqueles desertos sem fim à vista, macho, viril, forte, protector, mas deliciosamente ternurento e sensível, não imagino ninguém melhor para o fazer como ele, e o sotaque Australiano (para quem não sabe ele é mesmo australiano) dá-lhe o toque final. Perfeito!

Quem me conhece, sabe que não preciso muito para verter umas lágrimas nestas lides cinematográficas, este filme não foi excepção, mas só porque no fundo, bem no fundo, sou uma romântica, e esperava pelo final perfeito, que até acabou por ser, tinha de ser este e mais nenhum, mas eu esperava o melhor, como sempre!



Em relação ao "Anjos e Demónios", não me vou estender tanto, quem viu o Código da Vinci, deve, à semelhança dos livros, aguardar por resultados bem similares, tal como aconteceu com o escritor Dan Brown, no cinema espelhou-se o mesmo resultado, mais do mesmo e quase uma repetição do anterior, não deixa de ser bom entertenimento, não deixamos de ao longo do filme, pormo-nos a adivinhar quem será o vilão, mas nada mais que isso.


Ok, o filme tem uma boa fotografia, o Tom Hanks tem uma representação não brilhante, mas agradável de assistir, as igrejas e as praças do Vaticano dão também cenários excelentes e a crítica à manipulação que a Igreja faz à história ou à informação que deixa sair para o mundo, dá-me sempre um particular prazer, mas como disse antes. Mais do mesmo.


Amigo C. espero ansiosamente pela tua opinião do "Austrália" :)
I'm gonna sing you to me!

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Depois do momento


O importante não é como, e muito menos quando, conhecemos as pessoas, o importante é o que se faz a partir desse momento.
A maior parte das vezes não me recordo de quando vi as pessoas que me são importantes pela primeira vez, agradeço é essa fracção de segundo ter acontecido, e agradeço mais ainda o facto de poder eternizar esse momento com a sua presença, de poder eternizar esse momento com conversas e segredos, de poder eternizar esse momento com aquela cumplicidade que te diz, que a alma daquela pessoa está irremediavelmente enroscada na tua. Adoro a eternidade que posso ter com as pessoas!
Da mesma forma que amo com o que se faz a partir do momento de partida, detesto o oposto. Detesto o que se deixa de fazer!

Pessoas instantâneas ou de circunstância, irritam-me. Uma pessoa instantânea é aquela que está com outra, que passa tempo com ela, que sai com ela, apenas por ser o que está mais à mão, é o que dá mais jeito, mais prático. É tudo lindo, saídas divertidíssimas, conversas superinteressantes, só sorrisos e alegrias, gargalhada então? Essa é a toda a hora... Tem é de se manter assim!
Tudo o que é de circunstância mexe-me um pouco com os nervos, até as conversas, e posso até entender e concordar que a própria vida pode afastar as pessoas, nada mais natural, tenho amigos com quem não estou há muito tempo porque a vida nos distrai, não, não é disso que falo pois até entendo que nos dias que correm dá sempre jeito ter ali um "amigo" para o copo no fim do trabalho ou até para o conselho de última hora, afinal se calhar recorrer aos verdadeiros amigos não é tão imediato e dá mais trabalho.


Mas pá, as mudanças drásticas fazem com que me sinta defraudada em relação ao investimento que fiz em relação a determinadas pessoas, hoje estão na minha vida e amanhã deixam de estar? Fez-se chocapic, foi? Eu sei, eu sei que é recorrente, que acontece a todos (mais a uns que a outros), assim como sei que este sentimento de perda só acontece porque criei expectativas, porque até se põe as pessoas numa consideração da qual não são merecedoras, mas hoje apeteceu-me muito dizer que as pessoas ainda me desiludem mais do que aquilo que esperava.


Vamos continuar a viver no mundo dos sorrisos depois disto? Não sei, mas acho que não.


P.S - Agora sim ando com uma neura brutal pela falta da medicação. E pelos vistos é o começo. Merd*!!!

domingo, 17 de maio de 2009

O amor é fodido


Já falei por aqui em Miguel Esteves Cardoso, esse gajo que andou uns tempos pela direita, mas apenas por más companhias, porque agora, como sempre toda a gente soube (menos ele), é assumidamente de esquerda, fazendo portanto com que goste ainda mais dele.


Volto a falar nesse Sr., porque ele, no panorama da escrita portuguesa, no meu limitado ponto de vista, é aquele gajo que escreve sobre a vida e sobre o amor como ninguém, consegue colocar em texto a vida como ela é, de uma forma sublime tal a sua clareza e verdade.


Volto a falar nesse Sr. porque concordo com ele, porque de facto a amor é fodido, com todos os seus encontros e desencontros, é fodido em toda a sua beleza, é fodido em toda a sua saborosa confusão. Como neste momento ando especialmente debruçada sobre este tipo de tolos pensamentos, nada como usar as melhores palavras que conheço. Espero que leiam e apreciem.


-Porquê? - Porque sim

- Porque sim não é resposta :)
(Eu sei)


“(...)nascemos todos com vontade de amar. ser amado é secundário… prejudica o amor que muitas vezes o antecede.
um amor não pode pertencer a duas pessoas, por muito que o queiramos.
cada um tem o amor que tem, fora dele…
é esse afastamento que nos magoa, que nos põe doidos, sempre à procura do eco que não vem.
os que vêm são bem-vindos, às vezes, mas não são os que queremos.
quando somos honestos, ou estamos apaixonados, é apenas um que se pretende.
tenho a certeza que não se pode ter o que se ama. ser amado não corresponde jamais ao amor que temos, porque não nos pertence.
por isso escrevemos romances - porque ninguém acredita neles, excepto quem os escreve.
viver é outra coisa. amar e ser amado distrai-nos irremediavelmente. o amor apouca-se e perde-se quando se dá aos dias e às pessoas. traduz-se e deixa ser o que é. só na solidão permanece…
o amor é fodido. hei-de acreditar sempre nisto. onde quer que haja amor, ele acabará, mais tarde ou mais cedo, por ser fodido (…)
e por que é que fodemos o amor? porque não resistimos. é do mal que nos faz. parece estar mesmo a pedir.
de resto, ninguém suporta viver num amor que não esteja pelo menos parcialmente fodido. tem de haver escombros. tem de haver progresso para pior e desejo de regresso a um tempo mais feliz.
e um amor só um bocado fodido pode ser a coisa mais bonita deste mundo(...)”


Miguel Esteves Cardoso, in O amor é fodido


Obrigada S. S. por me teres feito andar a reler isto ontem!!

sábado, 16 de maio de 2009

Pinhão - Alto Douro



Pois é, estive em retiro no Pinhão com duas grandes amigas. O objectivo era retemperar forças, este foi mais que superado!!!

Na chegada fomos conhecer as instalações onde íamos ficar alojadas, lá tinha imaginado como seria, já que foi a casa muito simpaticamente cedida por um amigo, casa essa que tinha sido a casa dos seus avós, contava portanto com uma coisa pequenina, aconchegante, com divisões minúsculas, já que era o habitual no início do séc.XX. Qual a nossa surpresa quando damos com um casarão enoooooorme, 4 quartos, duas salas, casas suplentes, sim, casas suplentes, porque na que ficamos era apenas a casa principal! Uma casa antiga e a precisar de obras, mas onde muito rapidamente nos sentimos habituadas e em casa.


Na noite da nossa chegada estivemos na conversa até às 7.30h da manhã, um pormenos importantíssimo sem televisão!!! O pormenor mais curioso foi termos encontrado nas prateleiras montes de livros antigos, alguns de contos tradicionais portugueses e foi nesses que nos focamos... À vez, e à volta do livro lemos contos, ou seja, ficamos ali a ler e a ouvir contos e aconversar muuuuito.

Depois de poucas horas de sono lá decidimos ir ver o meio e as paisagens onde estávamos inseridas, já que a casa, embora mesmo junto ao rio e com vista para as montanhas era mesmo no centro da Vila... Foi nessa altura que basicamente ficamos pasmadas!!! Rapidamente percebemos porque é que o Alto Douro é Património da Humanidade, classificado pela UNESCO.


Kilómetros e kilómetros de vinha, montanhas que nos fazem sentir minúsculas, aldeias pequeninas no meio do nada, cheias de pontos peculiares, recantos fantásticos, pessoas com camisolas na cabeça sentadas nos parapeitos das portas, cerejeiras espalhadas por toda a parte!!



Claro que ficamos a conhecer melhor a vila, melhor as pessoas da região e melhor ainda, os petiscos da região, desde os licores, os vinhos, as cerejas, e os enchidos hummm. Rapidamente me habituava a aquela vida!!




Podia aqui estar simplesmente todo o dia a escrever sobre as maravilhas do alto Douro, sobre a fauna e a flora que tivemos oportunidade de ver, sobre aquelas gentes que têm uma simpatia que chega a ser desconcertante de tão surpreendidas que ficamos, posso, a título de conclusão dizer que foram una dias FANTÁSTICOS!!!!


Aconselho e tenciono repetir :)

terça-feira, 12 de maio de 2009

Termos da Amizade


Pareceu-me ser um bom pensamento para hoje, depois de ler com atenção pareceu-me ter aqui ideias e expressões que eu não conseguiria expôr com tanta exactidão :)


**************


"Determinemos, agora, quais são os limites e, por assim dizer, os termos da amizade.


Encontro aqui três opiniões diferentes, das quais não aprovo nenhuma:


- A primeira deseja que sejamos para os nossos amigos, assim como somos para nós mesmos;


- a segunda, que a nossa afeição por eles seja tal e qual à que eles têm por nós;


- a terceira, que estimemos os nossos amigos, assim como eles se estimam a si mesmos.


Não posso concordar com nenhuma destas três máximas. Porque a primeira, que cada um tenha para com o seu amigo a mesma afeição e vontade que tem para si, é falsa. De facto, quantas coisas fazemos pelos nossos amigos, que jamais faríamos para nós! Rogar, suplicar a um homem que se despreza, tratar a outro com aspereza, persegui-lo com violência; coisas que em causa própria não seriam muito decentes, nos negócios dos amigos tornam-se muito honrosas. Quantas vezes um homem de bem abandona a defesa dos seus interesses e os sacrifica, em seu próprio detrimento, para servir os de seu amigo!


A segunda opinião é a que define a amizade por uma correspondência igual em amor e bons serviços. É fazer da amizade uma ideia bem limitada e mesquinha, sujeitá-la, assim, a um balanço entre a despesa e a receita. Parece-me que a verdadeira amizade é mais rica e mais generosa; não calcula com exactidão com medo de oferecer mais do que recebeu. Não se deve temer na amizade que se vá dar demais ou que se vá perder alguma coisa.


A terceira máxima é a mais perniciosa de todas: quer que se estime ao amigo tanto quanto ele se estima a si mesmo. Mas há bom número de pessoas, cuja alma tímida e desalentada não ousa aspirar a uma melhor sorte. Serão, então, os amigos obrigados a pensar como eles? Não deverão, ao contrário, esforçarem-se por encorajá-los, sugerindo esperanças e doces pensamentos? É necessário, portanto, prescrever outros limites para a amizade.


(...) Eis aqui os limites nos quais creio poder encerrar a amizade. Que os costumes dos amigos sejam sempre puros, que uma inteira comunhão de bens, de pensamentos, de vontade, exista entre eles. E mesmo se, por infelicidade, um deles necessita de auxílio do outro, em alguma empresa de justiça duvidosa, mas de onde dependa a sua vida ou a sua honra, pode-se, neste caso, desviar um pouco o caminho certo, contanto que daí não resulte a desonra. A amizade, com efeito, condescende até um certo ponto. "


Marcus Cícero, in 'Diálogo sobre a Amizade'

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Oscilações


Pois é, ontem deixei de tomar a tal medicação que dizem ser responsável pelos níveis de energia. Para quem não sabe, a tiróide produz hormonas T3 e T4, aquelas que fazem com que uma pessoa esteja com o astral em alta, na ausência delas, em baixa. A partir de hoje vou passar a ter as ditas oscilações de humor, e daqui até finalizar o tratamento vai ser sempre a piorar, pelo menos é o que dizem.


Não me apetece ceder às hormonas para ser sincera, não me apetece muito acreditar que a nossa energia é só hormonas, prefiro acreditar que nós ainda devemos conscientemente ter algum voto na matéria e por isso, conscientemente vou tentar andar em alta, ou pelo menos, contrariar a possibilidade de andar em baixa.


Não que a minha vida tenha andado muito estável, antes pelo contrário, ela própria tem tido oscilações, e por norma, o nosso estado de espírito é um espelho daquilo que nos acontece, mas essas oscilações acontecem porque eu permiti que assim fosse, deixo que factores exteriores interfiram demais com o meu estado de espírito, tenho por isso que encontrar o meu equilíbrio novamente, encontrar-me a mim, como indivíduo, como Mulher. Eu só eu e nada nem ninguém mais que eu.


Entretanto, lá vou continuar a brincar ao faz de conta e a sorrir muito :)


sábado, 9 de maio de 2009

Segurança Social


Pois é, ontem fui chamada às instalações da Segurança Social de forma a confirmar se o período de baixa não é uma fraude, é a chamada junta médica. Lá me fiz acompanhar de toda a papelada associada ao meu processo, cartas do médico A para o B, análises, exames, enfim toda aquela parafernália que pelos vistos prova a minha doença.


Ás 15.00h lá estava eu na Av. Marechal Gomes da Costa para a marcação às (e vejam a precisão) 15.32h! Cheguei às ditas instalações e honestamente... Fiquei de boca aberta com a quantidade de pessoas que supostamente estão de baixa!!! As instalações são feias, escuras; as pessoas, mais que muitas, o cheiro característico às multidões... Enfim, nada que queira repetir.


Entrada no consultório e a coisa deve ter durado, se tanto, um par de minutos, duas médicas (com cara de que já estão mesmo cansadas de ali estar) que olharam para mim e apenas perguntam:


M1 - Foi operada? (lá olharam logo para a cicatriz)

Eu - Sim, carcinoma papilar - Digo eu enquanto lhes dou a documentação para a mão.

M1 - Ficou uma cicatriz muito bonita, onde trabalha? - pergunta uma enquanto a M2 começa a vasculhar os papéis.

Eu - Nestlé Nespresso

M1 - Ai trabalha na Nespresso? - diz ela e finalmente esboça um sorriso - tenho uma reclamação a fazer!

Eu - Ehehe faça as encomendas a partir do clube, não precisa de ir para filas de espera - Digo eu, quase interrompendo-a.

M2 -Quanto tempo mais vai estar de baixa?

Eu - Não sei, sendo que esta semana deixo a medicação, dia 25 faço o cintilograma e a radio logo de seguida , mas não sou eu que devo saber isso, certo?

M1 - Pois, mais 32 dias pelo menos...

M2 - Adeus boa tarde e boa sorte!

M1 - Boa tarde!

Eu - Boa tarde e obrigada - digo eu enquanto lhes estendo a mão, e elas retribuem com ar de admiradas, lá não deve ser habitual aparecer gente bem educada!!


E foi isto apenas, depois de mais de 1h de espera!!!


Mas após esta experiência fiquei com a impressão clara de que, se tanta gente está doente (ou a fazer por isso), outra tanta desempregada, mais uns quantos com o rendimento de inserção social, mais os idosos, mais as crianças!!! Sobram poucos e coitados dos que sobram. É de facto cada vez mais reduzido o número de pessoas que estão responsáveis por manter viável o nosso sistema de segurança social. Até quando...


******


Ahhhh e também percebo porque é que o Norteshopping está tão cheio independentemente dia e hora, há mesmo muita gente a não trabalhar!!! Força aí colegas!!!


quarta-feira, 6 de maio de 2009

Tolos



Há por vezes tolos com graça, mas nunca com juízo...
Fonte: "Máximas"

Autor: La Rochefoucauld , François


Hoje estou efectivamente tola, quando estou feliz não penso sobre isso, acho-o natural , acho-me merecedora, digo eu, porque raras são as vezes que me debruço sobre a minha felicidade. contento-me apenas por sê-lo.


Já quando falamos da tristeza, e digam lá se não é uma estupidez, sou pouco capaz de pensar em mais nada que não seja no que me entristece, mesmo que, como hoje, não haja motivo aparente por estar enterrada numa tristeza profunda, claro que, quando falo de motivo aparente é alguma coisa diferente de ontem, ou do mês passado, os dados são os mesmos.


Não, não me esqueci de tomar os comprimidos (agora posso mesmo dizer isto hehehehe) é só desânimo.. Enfim, sou tola! Espero que amanhã me passe a tolice e de nessa altura pensar mais e reflectir mais em todas as coisas boas que me fazem ser feliz e que hoje me parecem tão pequeninas.

domingo, 3 de maio de 2009

Mãe...


Não poderia deixar de prestar aqui uma homenagem à minha. Sim eu sei, a maioria diz que a deles é que é, mas eu não só o digo, como encho a boca a dizê-lo, a minha mão é MESMO a melhor mãe do mundo!!!


É amiga, é cumplice, faz cafunés como ninguém, estraga-me com mimo amando-me, às vezes até digo que em exagero, fez tudo ao longo da vida para estar presente enquanto as filhas cresciam e o melhor de tudo? Adora ser, não só minha mãe, como tem um prazer imenso em ser mãe de todos os que assim quiserem e precisarem, de tanto que lhe agrada a função!!


A minha mãe é o meu pilar, é o lugar onde sossego, onde sereno, onde choro à vontade, onde sei que posso ser eu, mas ser eu a valer, porque sei o quanto ela me ama, apesar dos meus disparates.


A minha mãe é onde recorro quando preciso mesmo à séria de um afago na cabeça, é onde recorro quando preciso à séria de um conselho, é onde recorro quando preciso à séria que me chamem à razão e me ralhem a valer!


Um bónus? Cozinha como ninguém :)


Garanto!!! A minha mãe é MESMO a melhor mãe do mundo e não sei se há mães em Marte, mas se houver, mesmo lá a minha mãe continua a ser a melhor!!! :)


*****



Não me posso esquecer claro, de deixar uma homenagem muito grande a todas as corajosas que não tiveram medo de abraçar esta jornada vitalícia que é a maternidade. Um beijo cheio de respeito para todas :*

sábado, 2 de maio de 2009

Elogio ao amor (Miguel Esteves Cardoso, in Expresso)"


Este texto já tem alguns anos, mas hoje apeteceu-me recordar e reler... Só porque é lindo:

***********

Quero fazer o elogio do amor puro. Parece-me que já ninguém se apaixona de verdade. Já ninguém quer viver um amor impossível. Já ninguém aceita amar sem uma razão. Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática.Porque dá jeito. Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado. Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido. Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria.Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em "diálogo". O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornaram-se sócios. Reúnem-se, discutem problemas, tomam decisões. O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem.

A paixão, que devia ser desmedida, é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática. O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade, ficam "praticamente" apaixonadas.


Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço. Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do "tá tudo bem, tudo bem", tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, bananóides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas. Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo?
O amor é uma coisa, a vida é outra.O amor não é para ser uma ajudinha. Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso "dá lá um jeitinho sentimental".Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso. Odeio os novos casalinhos. Para onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja. Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade.

Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo. O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar. O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto.

O amor é uma coisa, a vida é outra.A vida às vezes mata o amor. A "vidinha" é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não dá para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende. O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal.


Que se invente e minta e sonhe o que quiser. O amor é uma coisa, a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem. Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz. Não se pode ceder. Não se pode resistir.A vida é uma coisa, o amor é outra. A vida dura a vida inteira, o amor não. Só um mundo de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Faz-me falta


Tenho tentado manter-me ocupada, ocupada com coisas, ocupada com pessoas e tenho tindo, claro, o suposto tempo de repouso, mas o que me está mesmo a fazer falta é o trabalho.


Faz-me falta o trabalho, faz-me falta a agitação, faz-me falta os horários, faz-me falta os colegas, faz-me falta!!!


Isto de ter de "descansar" tem a sua piada algum tempo, umas férias fora do tempo, umas férias surpresa (vendo a coisa pelo melhor prisma), mas em boa verdade, depois de quase dois meses passados torna-se quase insustentável o excesso de tempo livre. Sou uma pessoa activa por natureza e o trabalho, descubro agora e mais que nunca, acaba por fazer parte do meu sustento, daquilo que faz com que me sinta útil, realizada!!


É mesmo isso, pareço uma inútil que não sabe muito bem se há-de gerir o tempo entre cafés e esplanadas, entre este ou aquele livro, entre este ou aquele canal, onde a grande indecisão do momento é se durmo 10h ou 12h e virada para cima ou para o lado. Enfim...


Faz-me falta o trabalho!!

domingo, 26 de abril de 2009

O sabor do desconhecido


Hoje tive uma conversa simpática com um novo bom amigo sobre o que esperar do futuro, sobre o poder e querer saber onde as nossas acções nos levam.

Isto pôs-me a pensar que a vida não teria metade da piada se soubessemos de antemão o que o futuro nos reserva. Gostaria de saber o que estarei a fazer e onde estarei daqui a um ano ou dois? Honestamente, acho que não, acho que o trajecto perdia metade da graça porque já não caminhava para o desconhecido, seria a mesma coisa que ler um livro ou ver um filme e já saber o seu final, perde-se o factor surpresa, aquele que tanto nos faz vibrar.

Os objectivos não o são por si só, assim como apenas as metas não me satisfazem. O trajecto pode (e deve) ser tão gratificante e enriquecedor como o seu fim. Sou uma mulher que se satisfaz e é feliz com coisas muito simples, provavelmente por isso não me concentro apenas no grande bolo, mas acho honestamente que, assim chego ao fim do dia e espremo mais sumo da vida.

Estou deliciada a viver este momento e não aquele que ainda não vivi...

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Mulher...


Hoje enquanto navegava encontrei a seguinte frase:


Mulher! nem submisa nem devota, livre, linda e louca!...


O meu primeiro pensamento foi que era uma celebração à mulher, à mulher forte, à mulher independente, à mulher confiante e cosmopolita, até que, olhei com mais atenção, voltei a ler mais um par de vezes e concluí que a frase não era nem tão forte nem tão correcta assim.


Sim, é um facto, a mulher quer-se livre linda e uma pitada de loucura nunca fez mal a ninguém, mas a mulher não pode ser só isso, só liberdade, so independência, ter-se a si e só a si.


Nós mulheres, por muito que confiantes e independentes que possamos ser, gostamos também do nosso ninho, do nosso carinho, do nosso conforto e aconchego.


Submissa e devota ? Não creio, mas depois de reformulada a frase acho que ficava bem melhor assim:


Mulher! Companheira, amante, amiga... Livre, linda e louca!...



Porque não precisamos de provar nada a ninguém, mas aquele mimo vem mesmo a calhar.

domingo, 19 de abril de 2009

Equilíbrios



Pois é, o dia da carnificina aka cirurgia já passou e devo desde já afirmar que estava à espera que fosse bem mais difícil, agora estou, claro, em franca recuperação, eu sei que a missa nem a meio vai, mas nada como aligeirar estas questiúnculas até porque muito do mesmo até a mim aborrece... Como tal, meus pensamentos presentes nada têm a ver com isto, têm a ver apenas com um estado de espírito!

Assim sendo, hoje apetece-me só dizer que estou feliz!

O Universo arranja assim uns equilíbrios :)

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Assim sendo...

É oficial, hoje sinto medo...

Não me apetece atender o telefone, não me apetece conversar, não me apetece brincar ao faz de conta, não me apetece ter conversas onde digo que está tudo bem, não está...

Hoje sinto medo!

domingo, 5 de abril de 2009

Solicitações

Estupidamente já tenho dado por mim a pensar que isto de andar doente até nem é assim tão mau, senão vejamos.

Estou de férias já há 15 dias quase, e durante este período o tempo escasseia para conseguir responder a todas as solicitações, ou são os amigos da vida, ou são os amigos do trabalho, ou é a família, em boa verdade quase que tenho de escrever na agenda quem é que fica com que dia e agora que já só me sobram duas noites antes da carnificina tenho quase que sortear quem é que fica com elas.

Se por um lado não deixa de me mexer com os nervos as sapatadinhas nas costas e os olhares do "vai correr tudo bem, estamos contigo, mas não gostava de estar na tua pele", por outro, este mimo todo e toda esta atenção de tanto lado, até me faz ver que eu até devo mesmo ser uma gaja porreira, para ter assim tanta gente que goste de mim e que de facto queira estar comigo neste período (que não é assim tão...) difícil.

Em boa verdade? É pena terem de acontecer estas coisas para acordarmos e percebermos que temos de dar mais valor às coisas que realmente importam, mas a vida distrai-nos, confunde-nos com a sua persistente azáfama.

quarta-feira, 25 de março de 2009

Abraços


Ontem tive de me confrontar com o facto de não poder vir a dar abraços por um período de tempo significativo.

A questão que se coloca... Quanto tempo aguentarei eu sem o poder fazer?